segunda-feira, 16 de junho de 2008

texto inicial: SOBRE A PALAVRA DESIGN

"Sobre a palavra design" desmascara a "trapaça" que está por trás de toda técnica, toda arte e todo o design – enganar a natureza – demonstrando como esse ardil, ao mesmo tempo em que confere valor aos objetos, não se livra nunca de ser uma trapaça, que retira das coisas sua verdade e autenticidade para transformá-las em objetos falseados e, em última análise, descartáveis. Cosaq Naify
...............

“a palavra design funciona, indistintamente, como substantivo e como verbo. Como substantivo significa, entre outras coisas, intenção, plano, propósito, meta, conspiração malévola, conjura, forma, estrutura fundamental, e todas essas significações, junto com muitas outras, está em relação com ardil e malícia. Como verbo – to design – significa, entre outras coisas, tramar algo, fingir, projetar, rascunhar, conformar, proceder estrategicamente”. Flusser

12 comentários:

ELER disse...

É interessante que Flusser aborde o poder de comoditização do design, ao contrário do discurso de "agregação de valor", normalmente defendido pela mídia e por nossos pares. O design em nossa época (no mundo capitalista, pelo menos) tornou-se uma commodity, o que levaria à descartabilidade dos artefatos. O que vocês pensam a este respeito?

LEANDRO MORAIS disse...

Eu diria, não "enganar a natureza", pois a natureza é o que é, e não tem como se enganar com ela por mais que tentamos nos iludir com os designos com que a partir dela criamos. O Design é uma faca de dois gumes, tanto é utilizado para enganar quanto para facilitar. Porém o Design de nossa época não é feito com a ética de "agregar valor" e sim é utilizado por esse sistema capitalista hipócrita para enganar e atrair as pessoas de uma maneira inconsciente.

LEANDRO MORAIS disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ELER disse...

Bem-vindo, Leandro!
Seria bom vc ler o capitulo SOBRE A PALAVRA DESIGN, onde o autor explica o significado de "enganar".

mundocodificado disse...

o que mais me fascina em Flusser é a sua vida como " ensaio". Em um ensaio ( no livro "Ficcões Filosóficas") sobre o ensaio ele diz que este " gênero" de escrita, no qual o escritor está totalmente implicado nela, permite que o pensamento seja da vida. Acho que a nossa primeira reunião do grupo de estudo obedeceu um pouco este programa de comentar em tom de " ensaio", ou seja, uma fala em que o pensamento e vida estão implicados. O que vocês acham? Mário

ELA disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ELA disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ELA disse...

Sim. Mas... há como nao ser assim?
(isto não é uma pergunta retórica, é uma questão mesmo;)
Porque penso que embora os ensaios tenha esta característica de expressão de pensamentos assumidamente condicionados pela experiência pessoal, no fundo nada é neutro. Os pensamentos de vida podem estar menos ou mais explícitos, mas são condicionantes.

ELA disse...

Leandro, para Flusser facilitar também é "enganar". Mas concordo com você que associar o design há algo mal não é justo. A vida seria possível sem a intervenção do homem sobre a natureza? Se design é algo maléfico, a humanidade também o é.
Mais tarde, Flusser diz isso mesmo - que "o ser humano é um design contra a natureza". Muito forte isso, não?

alllisson disse...

Denise, eu jurava que você iria adorar a definição da palavra design, por Flusser :D haha

Mas acho que de todo, ele não é tão injusto conosco em sua tese.

Afinal, transmitimos nosso repertório, nossa visão, nossas opiniões através do design. Reformulamos as teorias, subvertemos o senso comum.
Mas, estaremos novamente formando convenções. E assim para sempre.

O design alicerce de toda cultura é o design que põe tudo à prova, que conspira!

ELA disse...

Mas por que isso é mal?
E outra, design para ele é o mesmo que tecnologia - uma forma de agir sobre o natural. Ou seja, é um sentido bem amplo de design. É por isso que não gosto da palavra "malícia", do tom negativo. Mas, se o ser humano é um design contra a natureza, ou seja, a natureza=bom, o artificial=mal. Então, tudo bem!! E viva o artificial. Nossa capacidade de intervir. De criar. Não somos macacos. Somos designers!

ELA disse...

Ricardo, cadê nossa Grife, hahahaah

Façamos como os postos e gasolina de uma marca famosa: abasteça aqui e ganhe uma muda de árvore para salvar o planeta!